terça-feira, 18 de março de 2008

Convocação III Fórum Humanista Latino-americano

 

III Fórum Humanista Latino-americano (FHLa)


Em
7, 8 e 9 de Novembro de 2008 em Buenos Aires, Argentina, será realizado o III Fórum Humanista Latino-americano.

Nos reuniremos pessoas; instituições; organizações sociais, políticas e culturais e governos que queiram trabalhar para reforçar a integração latino-americana, sob o signo da não- violência e a liberdade de todos os habitantes de nossa região.

Em Outubro de 2006, com ocasião do 1º Fórum Regional Humanista, em Quito, se declarou: "devemos primeiro construir grandes projetos de integração regional, sem perder de vista o fato de que não estamos aspirando à constituição de regiões que depois choquem entre si, mas a integrações regionais que depois possam contribuir umas com outras…" Posteriormente, em Novembro de 2007, no II FHLa, em La Paz, se disse: "A resolução de conflitos históricos e o desarmamento progressivo e proporcional entre países da região são temas fundamentais para a integração latino-americana. "As guerras não são iniciativa dos povos e sim dos interesses econômicos que os exploram".

Estas visionárias propostas adquiriram a conotação de demanda, ante a irracional ameaça de guerra gestada pela incursão militar do governo colombiano e o massacre feito em território equatoriano no começo de março. Fato que o FHLa condenou energicamente, ao mesmo tempo que parabenizou sua resolução pacífica, exortando a que no futuro não se repitam jamais agressões deste tipo entre países da região e a seguir o exemplo da revolucionária decisão do Presidente Evo Morales de incluir na nova Constituição boliviana, "a renúncia à guerra como forma de resolução dos conflitos".

América Latina não necessita linguagens beligerantes, nem aventuras belicosas. América Latina necessita paz para a transformação econômica e a recuperação dos direitos políticos e sociais de seus povos.

O FHLa põe ênfase nas urgências de hoje para que o processo de transformações e integração na América Latina chegue em bom porto: o demente aumento da violência contra a mulher, os jovens e crianças; a sustenida deterioração de sua biodiversidade pelo aquecimento global; a recuperação de seus recursos naturais e energéticos hoje em mãos de depredadoras multinacionais; a liberdade de circulação das pessoas e a liberdade de residência em toda a região; a resolução pacífica dos conflitos limítrofes históricos e o desarmamento progressivo e proporcional entre países da região.

Hoje, mais que nunca, é necessário acelerar os projetos de união no político, econômico, social e cultural.

Há 15 anos, a partir do Primeiro Fórum Humanista Mundial realizado em Moscou, em Outubro de 1993, temos feito referência à regionalização como parte do processo de mundialização, diferenciando este claramente da globalização que tende a homogeneizar e uniformizar e que derivou em uma precária situação econômica, social e humana, violando os direitos fundamentais das grandes maiorias neste continente e o mundo.

Desde então, conseqüentemente, o fórum humanista iniciou um processo de regionalização, para ir convertendo-se em um instrumento válido de informação, intercâmbio, discussão e ações conjuntas entre seus participantes, sob o signo do não-violência ativa e a valorização e convergência da diversidade.

Não desejamos um mundo uniforme, mas múltiplo. Múltiplo nas etnias, línguas e costumes. Múltiplo nas localidades, as regiões e as autonomias. Múltiplo nas idéias e aspirações. Múltiplo nas crenças, o ateísmo e a religiosidade. Múltiplo no trabalho, múltiplo na criatividade.

Aspiramos à unidade latino-americana e esta é uma intenção lançada ao futuro integrando os valores das diferentes culturas do continente baseados no respeito pelas diferenças, o repúdio à violência e a superação do sofrimento social e pessoal.

Assim o FHLa põe o ser humano como valor central, e este valor é o marco que compartilhamos os integrantes do fórum, o fato de nos sentimos humanistas e universalistas, além das diversas origens e culturas que nos aconteceu ter circunstancialmente.

E por que nos ocuparmos do futuro se as urgências de hoje no continente são de uma magnitude insuportável? Porque cada vez mais se manipula a imagem do futuro e se exorta a suportar a situação atual como se fosse uma crise insignificante e passageira. No entanto, é a imagem e representação de um futuro possível e bom para todos o que permite a modificação do presente e o que possibilita toda revolução e toda mudança atual.

Desde esta perspectiva, não há outra saída a não ser produzir uma transformação profunda desta sociedade inumana, abrindo-a à diversidade das necessidades e aspirações humanas. Dita transformação deverá assumir um caráter includente com base na essencialidade humana. Por isso, além das mudanças que se produzam nas situações concretas dos países, seu caráter deverá ser universalista e seu objetivo, mundializador.

Neste sentido, encorajamos e participamos de toda ação que vá nesta direção. No fórum de La Paz reconhecemos os princípios de não discriminação e não-violência que animam ao governo da Bolívia e agradecemos o compromisso por ele assumido com os postulados do Fórum Humanista Latino-americano. Assim divulgamos este valioso intento e iniciamos inumeráveis ações de apoio internacional ao proceso de mudança boliviano.

Hoje exortamos e convidamos a todas as organizações e Movimentos Sociais do continente a não errar neste momento chave da situação atual. O caminho contra a violência exercida pelas instituições econômicas e políticas do sistema não é a guerra e não é a violência. Nossa ação, em todos os casos, deve priorizar a vida humana, a saúde e a educação da população e não há nenhuma outra prioridade.

A mudança simultânea do social e o pessoal melhorará as condições sociais, mas também é necessária uma busca no interior do ser humano, no profundo de cada um, para conectar com os significados que têm impulsionado a evolução humana.

São momentos de mudança, de oportunidades e de futuro.

Temos a necessidade de ir consolidando a unidade do Movimento Social Latino-americano, amplo e diverso, que se articule superando as fronteiras físicas e mentais que nos separam para reduzir o poder do capital e fortalecer a decisão e participação dos povos, para avançar para essa Nação Humana Universal a que aspiramos.


0 comentários:

Postar um comentário

Gostou do Partido? Então cadastre-se para receber boletins virtuais por Email ou RSS. Não gostou? Entre em contato e sugira uma pauta. * Deixe aqui suas opiniões e comentários.

 

Acompanhar este Blog

Blog do PH Copyright © 2009 Blog desenvolvido por AgenciaDigital.Org